brasil-politica

Tensão e emoção no segundo semestre se Temer sobreviver

Imprimir

A denúncia “tabajara” do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente Michel Temer, o afastamento temporário do senador Aécio Neves do mandato e a condenação do ex-presidente Lula pelo juiz Sérgio Moro aprofundaram ainda mais a confusão em que o país está metido. O que vai acontecer no segundo semestre? Algumas tendências estão desenhadas.

A reforma previdenciária, apesar de urgente e essencial, ficou prejudicada. Poderá voltar em uma versão “light” se houver empenho bastante do governo. A denúncia de Janot deve ser rejeitada pela Câmara, salvo se ocorrer, de hoje até a semana que vem, algum fato novo. Acho que não, mas todo cuidado é pouco. Coisas improváveis acontecem no Brasil, como país, e no Botafogo, como time.

A segunda denúncia de Janot, sobre a qual ele disse não ter pressa de soltar, deve ter igual destino. Afinal, não funcionou a bala que ele e o empresário Joesley Batista, da JBS, fabricaram, e o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, endossou.

A condenação de Lula, amparada em excessivas duzentos e tantas páginas, deve ser mantida, mas já causou o efeito de colocar Lula como candidato presidencial. É o que resta a Lula: incluir a narrativa de perseguido por Moro em seu currículo. Somente os incautos podem acreditar em tamanha baboseira. O Brasil, como sabemos, é um país de incautos.

No final, acho que Lula, para o bem das esquerdas, vai ser impedido de disputar as eleições em 2018. O ideal seria que o aparato “lulopetista” e quejandos apoiasse o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, fraco e “poseur”, porém menos arcaico que os demais. Só um pouco melhor.

Se o povo soubesse da real necessidade de fazer a reforma previdenciária, ela já teria sido aprovada. Sem mexer na Previdência, o Planalto passa o tema para a agenda prioritária do próximo governo. Seja ele qual for.

Se sobreviver – o que é provável –, Temer terá uma nova maioria que deverá, contudo, ser menor do que aquela que apoiou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A fracassada bala de prata de Janot destruiu a base e, como efeito colateral, antecipou as preocupações com as eleições.

Os “cabeças pretas” do PSDB, preocupados com o patrulhamento da mídia, debandaram e não estão dispostos a salvar Temer. Pensam que serão justiçados pelas urnas. É natural que pensem dessa forma, pois temem não se eleger. Não sabem que a grande mídia pode destruir alguns, mas não a maioria, que se elege de carona no quociente eleitoral dos outros.

A questão vai ser resolvida, como sempre, na caneta. E a caneta de Temer ainda tem muita tinta, mesmo em meio à crise fiscal. Paradoxalmente, a tinta da caneta do presidente pode ter o condão de eleger muitos.

Uma palavra sobre Lula e o PT: ao invés de fazerem uma viagem para o futuro, ambos estão de volta ao passado. Apoiam, inacreditavelmente, o regime de Nicolás Maduro na Venezuela e não aceitam fazer uma autocrítica. Vivem no autoengano. Um horror para as forças verdadeiramente progressistas – se é que elas existem por aqui – e para o futuro.

O PT resolveu disputar a vaga do rebaixamento no ranking das forças políticas retrógradas. Pau a pau com o PSOL e o deputado Jair Bolsonaro. Não devo esquecer-me de mencionar Aécio Neves, uma decepção para muitos.

A certeza que fica é que o segundo semestre será tenso e emocionante. Tanto pelos fatos em si quanto pela evidente intenção de quem noticia transformar tendência ou hipótese em realidade.

O Tempo – 26/07/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais