eleicoes-2018

ESPECIAL: Sem Lula o PT vai de plano B

Imprimir

No PT, dois nomes despontam hoje como plano B: Fernando Haddad e Jaques Wagner. O PSOL, que se localiza ainda mais à esquerda do PT, pode lançar o deputado federal Chico Alencar ou então o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, que ainda não está filiado a nenhum partido político. Especula-se que ele poderia ir para o PSOL para disputar o Palácio do Planalto.

No cenário sem Lula, Marina Silva (REDE) e Ciro Gomes (PDT) têm potencial para herdar o eleitorado lulista. A ausência do ex-presidente pode levar PSB e PCdoB, que no passado alinhavam-se quase automaticamente ao PT, a uma aliança com Ciro ou Marina. No caso da ex-senadora, mais do que buscar alianças com legendas de centro-esquerda, o maior objetivo é construir uma chapa tendo o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa como vice.

Dada a projeção que Barbosa conquistou durante o julgamento do mensalão, seu nome contribuiria para reafirmar o compromisso com o combate à corrupção. Marina, assim como Barbosa, é vista como um nome dissociado da política tradicional, embora já tenha passado por PV, PT e PSB.

Segundo turno na eleição é quase uma certeza

Do centro para a direita do espectro ideológico, a ausência de Lula também contribuiria para aumentar a pulverização das candidaturas. Além da quase certa candidatura de Jair Bolsonaro, poderemos ter os tucanos Geraldo Alckmin e João Doria concorrendo ao Palácio do Planalto. Mesmo que Alckmin supere Doria na disputa interna do PSDB, existe a possibilidade de o prefeito de São Paulo trocar de partido (filiando-se ao DEM ou ao PMDB).

Nesse cenário de grande fragmentação de candidaturas, apenas a realização do segundo turno pode ser considerada uma certeza. Sem Lula, crescem as chances de Marina ou Ciro chegarem ao segundo turno. Caso o PT aposte em Haddad ou Wagner, a possibilidade de o partido ficar fora do segundo turno aumentaria.

No campo do centro-direita, as incertezas seriam ainda maiores. Hoje, Bolsonaro leva vantagem sobre Alckmin e Doria. Até meados de 2018, Alckmin e Doria medirão forças para ver quem será capaz de construir uma aliança mais competitiva. Quem atrair mais aliados ganhará importantes pontos, isolando e criando grandes dificuldades para seu oponente.

Ainda que hoje Alckmin e Doria estejam no mesmo partido (PSDB), travam um jogo de soma zero. Ou seja, o que um ganha o outro perde. Nesse contexto de incertezas, o nome de Henrique Meirelles como eventual candidato do governo poderá se fortalecer e surpreender.

Veja os outros artigos desta série especial sobre as prévias das eleições:

ESPECIAL: Lula/2018, com ou sem?

Especial: Para enfrentar Lula, Bolsonaro ou Alckmin

ESPECIAL: Bolsonaro bom de largada

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais