eleicoes-2018

Série eleições 2018: atributos do candidato

Imprimir

Do mesmo modo que o eleitor deve votar consciente, o candidato deve observar que atributos realçar no processo eleitoral, especialmente para atrair a atenção e transmitir segurança e confiança ao eleitor. Neste texto chamamos atenção para as motivações, características, habilidades e qualidades que mais causam empatia no eleitor.

Na percepção do eleitor, o candidato, para merecer seu voto, deve ter perfil adequado às suas boas expectativas e interesses e, para tanto, considera alguns atributos pessoais e/ ou institucionais, como boa reputação, apoio logístico e capital político.

Quanto mais atributos pessoais tiver o candidato, mais chances ele tem de vencer. Atributo pessoal aqui é visto como formação acadêmica, vigor físico, experiência política e administrativa, entre outras qualidades individuais do candidato.

Quanto melhor a imagem pública/reputação do candidato mais chances ele terá de ser eleito. Imagem pública/reputação é a percepção que as pessoas têm do candidato acerca de valores como ética, honestidade, seriedade ou fama de competente e realizador, entre outros, como carisma e humildade.

Os atributos pessoais e a imagem pública são condições necessárias, embora não sejam suficientes, para o candidato transmitir ao eleitor esperança e confiança. Esperança de que a eleição daquele candidato fará com que o status quo mude e mude para melhor. Confiança de que o candidato e sua equipe sejam capazes de transformar em políticas públicas a plataforma de campanha.

Quanto mais apoio logístico tiver o candidato, mais condições de vencer ele terá. Apoio logístico é toda a estrutura de campanha, desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, TVs e jornais.

Quanto mais capital político, mais possibilidade de lograr êxito terá o candidato. Capital político são as alianças e palanques partidários e eleitorais nos distritos, municípios e nos estados. Isto inclui também as doações de campanha, o engajamento dos formadores de opinião e donos e editores dos veículos de comunicação (rádio, jornal e TV), assim como o apoio de personalidades do meio artístico, sindical, empresarial, esportivo, religioso, cultural, intelectual e social.

Quanto mais realista e voltada para enfrentar os problemas afetos ao pleito e à disputa eleitoral for a plataforma ou programa do candidato, mais admirado ele será pelo eleitor. Entretanto, o programa, para produzir resultados eleitorais, precisa estar em sintonia com o que esperam os eleitores, por exemplo: combate ao desemprego e à violência, oferta de mais saúde e educação, etc.

 

Este texto é parte integrante da Cartilha, de nossa autoria, que trata das “Eleições Gerais -2018: orientação a candidatos e Eleitores”.

 

(*) Jornalista, analista político e diretor de Documentação do DIAP.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

O esquartejamento do Ministério do Trabalho


O Ministério do Trabalho foi extinto e suas competências e atribuições foram distribuídas em quatro outros ministérios (Economia, Justiça e Segurança, Cidadania e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos) com dupla finalidade. De um lado, facilitar a implementação da reforma trabalhista, inclusi

Ler mais

Nordeste, a terceira arma de Bolsonaro


O Nordeste deve ser a terceira arma do capitão-mor Jair Bolsonaro para transformar as expectativas da campanha eleitoral num governo bem-sucedido. A deixa foi dada pelo general Augusto Heleno, futuro ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do governo eleito.

Ler mais

O otimismo com a Era Bolsonaro deve muito a Era Temer


O presidente Michel Temer deixará a Presidência da República menos injustiçado do que creem seus aliados, mas mais injustiçado do que detratam seus adversários. Contra a tendência simplificadora das análises sintéticas das redes sociais, muitas ações na política não são preto no branco.

Ler mais

A lógica da relação do governo Bolsonaro com o Congresso


O presidente eleito, sob o argumento de que a estrutura partidária está viciada e só age à base do toma lá dá cá, fez campanha prometendo que não negociaria com os partidos a formação de seu governo, mas, tão logo eleito, passou a negociar indicações com as bancadas informais, temáticas

Ler mais