eleicoes-2018

Série Eleições 2018: motivações e fatores-chave para o sucesso eleitoral

Imprimir

Muitas são as razões pelas quais as pessoas aspiram ingressar na vida pública, mas poucas são efetivamente meritórias e republicanas. As motivações podem ser classificadas em positivas e legítimas e não-constitutivas.

Entre as motivações louváveis, podemos destacar a defesa do interesse público, a promoção das pautas das minorias (que envolvem gênero, raça, mulheres, índios, etc), a defesa de causas específicas (meio ambiente, consumidor, usuário de serviço público, etc) ou mesmo a promoção de valores, desde que não deponham contra a vida.

Entre as motivações questionáveis e até condenáveis, podemos destacar a busca de mandato apenas por vaidade, por ressentimento, por ser celebridade ou endinheirado ou para ganhar foro privilegiado.

Entretanto, seja qual for a motivação, para que tenha chances reais de eleição, além de boa estratégia de marketing e de boa estrutura de campanha, o candidato precisa contar com pelo menos 4 das condições a seguir:

  1. ter serviços prestados à comunidade na qual pretende disputar;
  2. liderar segmentos organizados (sindicato, igreja, grupo empresarial etc);
  3. dispor de recursos para cobrir parte dos gastos de campanha;
  4. possuir base geográfica definida ou base eleitoral;
  5. dispor de máquina partidária, governamental, sindical, empresarial etc;
  6. possuir notória especialização, ser celebridade ou personalidade do mundo acadêmico, das comunicações, empresarial, esportivo, cultural, artístico ou religioso, etc;
  7. ter aliados (cabos eleitorais) com forte prestígio na circunscrição do pleito;
  8. contar com o engajamento do partido ou apoio dos candidatos majoritários, no caso de eleição proporcional;
  9. produzir bons programas de rádio e de televisão e utilizar bem as redes sociais;
  10. ter seguidores e uma boa inserção nas redes e mídias sociais; e
  11. ter boa reputação, principalmente nos aspectos ético e moral.

Além disso, o candidato, para ser bem sucedido, deve ter domínio  sobre os temas de sua plataforma de campanha ou programa de governo e conhecer minimamente a Constituição Federal e a estadual e a Lei Orgânica do município, bem como ter noção do que são, o que fazem e como funcionam as instituições públicas.

A responsabilidade pela escolha, entretanto, cabe ao eleitor, que deve estar bem informado e em condições de julgar as motivações e habilidades do candidato, além de exigir compromisso com o programa apresentado durante a campanha, com ética e com prestação de contas.

Este texto é parte integrante da Cartilha, de nossa autoria, com o título: “Eleições Gerais 2018: orientação a candidatos e eleitores”.

(*) Jornalista, consultor, analista político e diretor de Documentação do Diap.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais