eleicoes-2018

Série Eleições 2018: motivações e fatores-chave para o sucesso eleitoral

Imprimir

Muitas são as razões pelas quais as pessoas aspiram ingressar na vida pública, mas poucas são efetivamente meritórias e republicanas. As motivações podem ser classificadas em positivas e legítimas e não-constitutivas.

Entre as motivações louváveis, podemos destacar a defesa do interesse público, a promoção das pautas das minorias (que envolvem gênero, raça, mulheres, índios, etc), a defesa de causas específicas (meio ambiente, consumidor, usuário de serviço público, etc) ou mesmo a promoção de valores, desde que não deponham contra a vida.

Entre as motivações questionáveis e até condenáveis, podemos destacar a busca de mandato apenas por vaidade, por ressentimento, por ser celebridade ou endinheirado ou para ganhar foro privilegiado.

Entretanto, seja qual for a motivação, para que tenha chances reais de eleição, além de boa estratégia de marketing e de boa estrutura de campanha, o candidato precisa contar com pelo menos 4 das condições a seguir:

  1. ter serviços prestados à comunidade na qual pretende disputar;
  2. liderar segmentos organizados (sindicato, igreja, grupo empresarial etc);
  3. dispor de recursos para cobrir parte dos gastos de campanha;
  4. possuir base geográfica definida ou base eleitoral;
  5. dispor de máquina partidária, governamental, sindical, empresarial etc;
  6. possuir notória especialização, ser celebridade ou personalidade do mundo acadêmico, das comunicações, empresarial, esportivo, cultural, artístico ou religioso, etc;
  7. ter aliados (cabos eleitorais) com forte prestígio na circunscrição do pleito;
  8. contar com o engajamento do partido ou apoio dos candidatos majoritários, no caso de eleição proporcional;
  9. produzir bons programas de rádio e de televisão e utilizar bem as redes sociais;
  10. ter seguidores e uma boa inserção nas redes e mídias sociais; e
  11. ter boa reputação, principalmente nos aspectos ético e moral.

Além disso, o candidato, para ser bem sucedido, deve ter domínio  sobre os temas de sua plataforma de campanha ou programa de governo e conhecer minimamente a Constituição Federal e a estadual e a Lei Orgânica do município, bem como ter noção do que são, o que fazem e como funcionam as instituições públicas.

A responsabilidade pela escolha, entretanto, cabe ao eleitor, que deve estar bem informado e em condições de julgar as motivações e habilidades do candidato, além de exigir compromisso com o programa apresentado durante a campanha, com ética e com prestação de contas.

Este texto é parte integrante da Cartilha, de nossa autoria, com o título: “Eleições Gerais 2018: orientação a candidatos e eleitores”.

(*) Jornalista, consultor, analista político e diretor de Documentação do Diap.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais