oposicao

Agenda: Serra afirma que já negocia com Temer

Imprimir

  1. O senador José Serra (PSDB-SP) afirmou que o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) deve assumir compromissos com a oposição e com o País caso Dilma seja afastada da Presidência. O vice tem de se comprometer a não concorrer à reeleição, não interferir nas disputas municipais deste ano, não promover uma caça às bruxas e montar um Ministério “surpreendente”. Serra tem conversado com empresários, nomes do mercado e com políticos sobre a possibilidade de Temer assumir (Estadão – p.A4). Entre os interlocutores estão o ex-ministro Nelson Jobim, o ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, o deputado Roberto Freire (PPS-SP) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Apesar de sempre ser apontado como provável ministro de Temer, Serra diz que o PSDB deve esperar para discutir cargos. No entanto, o senador, economista de formação, está ajudando Temer nos primeiros diálogos sobre o chamado Plano de Reconstrução Nacional, e aponta as áreas da infraestrutura e de exportações como vitais para o sucesso da empreitada (Estadão – p.A4).
  2. O agravamento da crise política, com o início formal da discussão e futura votação do pedido de impeachment de Dilma, interditou a apreciação de propostas do ajuste fiscal e outras matérias que poderiam melhorar as contas públicas. Maior influência do PT e de Lula ao Palácio do Planalto também já provocou efeito colateral: as propostas para colocar as contas em dia ficaram em segundo plano. O ser substituído no cargo, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, abriu ainda mais a torneira do crédito, sob o risco de ficar isolado no governo ou mesmo ser demitido (Estadão – p.B4). Com o agravamento da crise política, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, reviu sua estratégia e abandonou o compromisso de encaminhar a reforma da Previdência Social ao Congresso no mês que vem. O entendimento agora é terminar as discussões sobre mudanças nas regras de aposentadorias e pensões no Fórum Nacional de Previdência Social, o que está previsto para 8 de abril, para depois decidir quando a proposta será enviada ao Legislativo (Valor).
  3. Equipe econômica já admite que o rombo nas contas públicas poderá superar R$ 60,2 bilhões, equivalente a 0,97% do PIB, em função da frustração das receitas no primeiro bimestre. Governo envia ao Congresso nesta semana pedido de autorização para abater R$ 84,2 bilhões da meta fiscal de 2016, que prevê superávit de R$ 24 bilhões – 0,4% do PIB (O Globo – p.16).

Eventos:

  • Comissão do Impeachment da Presidente da República se reúne para definir o roteiro de trabalho.
  • Termina o prazo para que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), apresente sua defesa no Conselho de Ética.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais