politica

Os sete desafios pós-denúncia de Temer

Imprimir

Nesta quarta-feira, a Câmara vota a segunda denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra Michel Temer, desta vez por organização criminosa e obstrução de Justiça. A tendência é que ela seja rejeitada. Superado esse grave obstáculo, o presidente terá outros pesados desafios, pós-denúncia, pela frente.

O mais imediato é a pacificação da base aliada diante do visível desgaste do governo. O apoio aos projetos de interesse do Planalto na Câmara, por exemplo, foi de 43,8%, o menor desde dezembro (42,57%) de acordo com levantamento da Arko Advice. Em setembro, chegou a 45,79%, quando excluídas as votações relacionadas à Reforma Política, matéria de amplo interesse dos parlamentares.

Na primeira denúncia, algumas promessas do Executivo para seus aliados não foram cumpridas. Novas estão sendo assumidas e terão que ter encaminhamento apropriado para não comprometer votações importantes de interesse do Planalto, em especial aquelas relacionadas à economia.

O desafio mais difícil é a continuidade do ajuste fiscal. Há uma extensa pauta impopular de medidas que o governo precisa aprovar no Congresso Nacional. Algumas já estão em tramitação, mas pouco andamento tiveram. É o caso do projeto de lei que trata da reoneração da folha de pagamento, que se encontra na Câmara.

Outros projetos estão na fila são o adiamento do reajuste de servidores públicos, o aumento da contribuição previdenciária do funcionalismo – de 11% para 14% – e a tributação de fundos de investimentos exclusivos, que devem ser enviados nos próximos dias.

A pauta é desafiadora e Temer tem pouco tempo. Até o recesso parlamentar, que começa no dia 22 de dezembro, são somente cerca de dois meses de atividade legislativa. Considerando que há dois feriados em novembro (dias 2 e 15), o saldo líquido é menor ainda.

O item mais complexo do ajuste é a Reforma da Previdência. O governo ainda tem alguma expectativa de aprová-la, ainda que mais modesta do que a que passou na Comissão Especial da Câmara.

Conforme pesquisa realizada pela Arko Advice nos dias 3 e 5 deste mês com 212 parlamentares, 78,77% não acreditam numa Reforma da Previdência ainda no período Temer. Mesmo quando indagados sobre a chance de uma aprovação mais modesta, apenas 31,13% acreditam que ela seja viável.

O programa de Concessões/Privatizações, mais um alvo importante, enfrenta resistências e exige grade habilidade política na sua negociação. Por exemplo: por pressão do PR, que tem 38 deputados federais, o presidente analisa retirar o aeroporto de Congonhas da lista de 14 terminais de passageiros a serem privatizados pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Outra batalha será a privatização da Eletrobras.

O governo deve encaminhar ao Congresso medida provisória mudando o marco regulatório do setor elétrico em novembro. Apesar de a empresa não precisar do aval dos parlamentares para vender a estatal, a mudança é fundamental para atrair o interesse de investidores.

A sucessão presidencial de 2018 é um ponto que começará a entrar mais fortemente na agenda política, com potencial desagregador da base. As negociações requerem grande capacidade de articulação para manter a base unida. Temer terá forte influência sobre a escolha do caminho a ser seguido pelo PMDB no próximo ano.

A reforma ministerial também está no horizonte. Em Brasília, circula a informação de que muitos ministros, diante da baixa popularidade do governo e por conta das restrições orçamentárias, podem deixar o cargo antes do prazo final de desincompatibilização (6 de abril de 2018). Uma das grandes preocupações é com relação ao PSDB, um dos pilares do apoio do presidente no Congresso Nacional.

A reconquista da popularidade integra a lista de prioridades pós-denúncia com destaque. O presidente terá que melhorar seu índice de aceitação, hoje em patamar baixíssimo. Conforme pesquisa Datafolha realizada em setembro, a avaliação “ruim/péssimo” está em 73%, a “regular” em 20% e a “ótimo/bom” em apenas 5%.

Ainda que a chance de melhora consistente seja baixa, há espaço para que esses índices fiquem mais favoráveis.

Publicado no Blog do Noblat em 25/10/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais