brasil-politica

Principais temas da agenda de setembro

Imprimir

A maior expectativa para o mês de setembro refere-se à denúncia a ser apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente Michel Temer. As acusações são de crime de obstrução da Justiça e organização criminosa.

Assim como a primeira denúncia, ela será enviada ao ministro-relator da Lava-Jato Edson Fachin, que enviará o pedido de investigação à Câmara dos Deputados.

Janot deixa a PGR no dia 17 de setembro. No dia seguinte, Raquel Dodge assume o posto, onde ficará por dois anos. Ao final, seu mandato poderá ser renovado por mais dois anos.

No Congresso, continua o esforço pelo prosseguimento do debate em torno da Reforma Política. O prazo para alterações nas regras político-eleitorais termina no dia 6 de outubro. Dificilmente mudanças estruturais serão aprovadas até lá.

O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava-Jato na primeira instância, marcou para as 14h de 13 de setembro o segundo depoimento do ex-presidente Lula.

O processo em que Lula é réu está ligado a esquemas de corrupção envolvendo oito contratos entre a empreiteira Odebrecht e a Petrobras, que teriam gerado desvios de cerca de R$ 75 milhões. Uma parte do dinheiro estaria ligada à aquisição de um terreno que receberia a sede do Instituto Lula e à compra de um apartamento vizinho à cobertura onde mora o ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP). Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O presidente Michel Temer terá, no dia 12, uma reunião com empresários e representantes de centrais sindicais para discutir uma agenda comum de pautas para a retomada do crescimento econômico e do emprego. No dia 18, ele viaja para Nova York a fim de participar da abertura da assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Está previsto para o dia 27 o leilão das usinas hidrelétricas da Cemig (Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande), com o qual o governo pretende arrecadar R$ 11 bilhões. Entretanto, a venda está sendo questionada judicialmente e pode ser adiada.

Também no dia 27 a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) promove a 14ª Rodada de Licitações de Blocos para Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural. Serão ofertados 287 blocos nas bacias sedimentares marítimas de Sergipe-Alagoas, Espírito Santo, Campos, Santos e Pelotas, e nas bacias terrestres do Parnaíba, Paraná, Potiguar, Recôncavo, Sergipe-Alagoas e Espírito Santo.

O governo do estado de São Paulo marcou para o dia 26 de setembro, na Bolsa de Valores, o leilão de privatização da Companhia Energética de São Paulo (Cesp). O estado espera arrecadar R$ 2,2 bilhões com a venda da empresa.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais