oposicao

Sindicatos fazem greve geral na sexta-feira

Imprimir

As centrais sindicais convocaram para sexta-feira (28) uma greve geral contra as reformas Previdenciária e Trabalhista e contra a Lei da Terceirização. Juntas, essas entidades representam mais de 10 milhões de trabalhadores.

Sindicatos e federações de aeroviários e aeroportuários, rodoviários, portuários, metroviários e agentes de trânsito de várias regiões do país se reuniram no último dia 10 para debater e organizar a paralisação.

A principal preocupação do governo é que o evento, dependendo do nível de adesão, tenha impacto no andamento das reformas Trabalhista e Previdenciária no Congresso.

TENDÊNCIA: Adesão expressiva nas principais regiões do país.

Câmara discute Reforma Trabalhista

A Reforma Trabalhista pode ser votada, na terça-feira (25), na Comissão Especial da Câmara que discute a matéria. De acordo com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ela pode ser submetida ao plenário na quarta (26).

Pelo texto do relator, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), os acordos entre patrões e empregados poderão prevalecer sobre a lei como regra geral. O texto também cria a figura do trabalho intermitente, com grandes intervalos dentro da jornada e convocação do empregado com três dias de antecedência. Os pagamentos serão por hora trabalhada e o empregado receberá vários direitos após o cumprimento do trabalho, como férias, 13º salário proporcional e adicionais legais.

Outro ponto previsto é a regulamentação do teletrabalho, possibilitando que o empregado preste serviços de sua casa ou mesmo viajando, via internet ou redes privadas.

TENDÊNCIA: Votação ainda incerta no plenário.

Comissão debate Reforma da Previdência

A discussão do relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) sobre a Reforma da Previdência começa na terça-feira (25), na Comissão Especial, com o compromisso de não haver obstrução por parte da oposição. Houve um acordo entre governo e oposição para que o parecer do relator fosse discutido nos dias 25, 26 e 27 e a votação ficasse para o dia 2 de maio, podendo se estender até o dia 3.

Embora a votação no plenário possa começar na semana do dia 8 de maio, a tendência é que ela aconteça na do dia 15.

TENDÊNCIA: Conclusão da votação na Comissão no dia 3 de maio.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais