estados

Solução para o Rio, problemas nos presídios

Imprimir

Os problemas financeiros e rebeliões em presídios estaduais continuam ocupando a atenção do Palácio do Planalto. União e Rio de Janeiro acertaram acordo de socorro aos Estados com ações que somam R$ 20 bilhões somente este ano. Estão previstas medidas relativas a redução de gastos, aumento de receitas e reestruturação das dívidas. Até 2020, o acordo deverá ter um impacto de R$ 50 bilhões.

O plano inclui a renegociação de dívidas com a União, bancos públicos e organismos multilaterais, cujos pagamentos ao governo federal ficarão suspensos durante a validade do acordo, o que pode durar até cinco anos.

Recursos da privatização da Cedae serão antecipados ao Tesouro local pelo Banco do Brasil e o BNDES. Haverá também a antecipação de receitas dos royalties que o estado tem a receber pela exploração de petróleo.

O governador Luiz Fernando Pezão só conseguiu aprofundar o diálogo com o Ministério da Fazenda depois da judicialização da crise, quando a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, concedeu liminar impedindo o bloqueio das contas do Rio, apesar do calote na dívida do Estado com a União.

No Rio Grande do Norte, a crise é de segurança, tal como ocorreu no Amazonas, Roraima e Ceará. Vinte e sete presos morreram na rebelião da Penitenciária de Alcaçuz, em Natal, a mais violenta da história do estado. Todos foram decapitados.

O motim começou na tarde de sábado (14) e terminou 14h depois, na manhã de domingo (15). Nos quatro estados e em São Paulo já foram mortos mais 130 presidiários nas duas primeiras semanas de 2017.

O secretário de Justiça, Wallber Virgolino, disse que haverá reforço nas guaritas e nos arredores do presídio para impedir fugas. Amanhã, 16, será realizada nova revista para buscar armas. O objetivo é separar as facções Sindicato do Crime e PCC, envolvidas no massacre.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais