ajuste

As indicações de que a sorte do crescimento começa a bater à porta

Imprimir

Nas últimas duas semanas, acompanhei com redobrado interesse notícias sobre a retomada do crescimento econômico em todas as modalidades de mídia. Comecei no dia em que o dólar caiu e a Bolsa subiu, numa espécie de impulso diante do cenário geral, marcado por novo ânimo desde que o Congresso voltou do recesso.

De cabeça, lembro-me em detalhes de duas reportagens do “Jornal Nacional” nos dias 16 e 17. A primeira anunciou a construção do campus da escola de inglês Avenues, de Nova York, numa área de 40 mil metros quadrados na Cidade Jardim, em São Paulo, com investimentos de R$ 152 milhões.

A segunda matéria informou que, pela primeira vez (janeiro), a indústria paulista – que cortou 518 mil cargos nos últimos três anos – contratou mais do que demitiu. Segundo a pesquisa, foram criados 6.500 empregos, sendo que 68% dos setores avaliados apresentaram resultados positivos, destacando-se artigos de borracha, plásticos, acessórios e embalagens.

Há outro dado importante: o governo prepara-se para anunciar um pacote destinado a atrair R$ 371,2 bilhões em investimentos privados ao longo dos próximos dez anos. As decisões serão tomadas nos setores de venda de terras para estrangeiros, mudanças nas regras de petróleo e gás, renovação antecipada de concessões, telecomunicações e construção civil.

A informação mais importante de todas até aqui é sobre o desempenho do agrobusiness, o pilar mais vigoroso da economia. As estimativas de janeiro do IBGE para a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2017 apontam para uma produção recorde de 221,4 milhões de toneladas, com crescimento de 20,3% em relação ao total de 2016. A área a ser colhida é estimada em 59,9 milhões de hectares, 4,9% à frente dos 57,1 milhões de hectares do ano passado.

Esse rico material informativo, apenas parte de um robusto clipping sobre o relançamento da economia, é ignorado pelos opositores do governo. O mais radical de seus formuladores, João Sicsú, ex-diretor do Ipea na era PT, disse em recente entrevista: “Não há nenhum sinal de recuperação da economia no Brasil”.

É claro que os indicadores de melhoria econômica, que, ao contrário do que Sicsú afirma, são variados, dependem para sua consolidação da retomada do nível de emprego, de forma que o consumo justifique novos investimentos, principalmente privados.

Essa é uma engrenagem que se alimenta muito do caráter emocional dos consumidores, e fazer com que ela funcione bem implica mais mistério do que uma equação matemática. Além de liderança da iniciativa privada.

Incompreensível, no entanto, é o mau humor da oposição sistemática, traindo o agourento “quanto pior, melhor”. Quando a ex-presidente Dilma Rousseff tentava em vão fazer a economia rodar, os tecnocratas prometiam o “espetáculo do crescimento”. Não deu certo.

Apropriaram-se, então, da expressão keynesiana “despertar o espírito animal do empresário”. Outro fracasso, resultado das opções erradas do modelo consumista da própria equipe econômica que levou o país à ruína fiscal. A diferença é que não se ouvia nenhuma vaia na arquibancada da oposição, que, a propósito, nem com os erros de Dilma conseguia fazer oposição.

Ao contrário do que supõem os pessimistas profissionais, a notícia da volta do crescimento deveria ser motivo de alegria, porque significa a volta da dinâmica que gera ocupação, põe o capital para girar, abre perspectivas para novos negócios e destrava o futuro. Tudo o que o Brasil espera há mais de dois anos.

Publicado n’O Tempo em 01/03/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais