oposicao

Supremo afasta Cunha; Câmara pode ter novo presidente

Imprimir

A decisão do Supremo Tribunal Federal de afastar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), do mandato é um ato de hiperjudicialização da política. Significa uma intervenção do Judiciário no Legislativo para resolver um grave problema político que a própria Câmara não conseguia solucionar.

A medida produz impacto fortíssimo no meio político porque equivale à cassação de um mandato por meio de liminar, conforme avaliação radical de um parlamentar que acompanha o caso.

Segundo uma interpretação do evento, o cargo está vago. O primeiro vice-presidente Waldir Maranhão (PP-MA) assume e, de acordo com o regimento da Casa, se até 30 de novembro do segundo ano de mandato verificar-se qualquer vaga na mesa diretora, ela será preenchida mediante eleição, dentro de cinco sessões.

Cunha atuará de todas as formas para impedir que uma nova eleição seja realizada sob o argumento de que foi apenas afastado – e isso não leva a uma nova eleição para a presidência da Câmara.

Havendo novas eleições, os mais cotados para o cargo são Rogério Rosso (PSD-DF), presidente da Comissão do Impeachment da Câmara, o relator do processo, Jovair Arantes (PTB-GO) e Osmar Serraglio (PMDB-RS). Outros nomes lembrados são Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE) e Julio Delgado (PSB-MG).

Na tarde de hoje, a agenda do Supremo marca o julgamento de ação do Rede Sustentabilidade pedindo que Cunha seja impedido de assumir o cargo de presidente da República por se tratar de réu processado pelo tribunal. Isso ocorreria na hipótese de o vice-presidente Michel Temer, virtual presidente com o quase certo afastamento de Dilma Rousseff no impeachment que tramita no Senado, viajar para o exterior.

A pressa do ministro Teori Zavascki, autor da liminar que tirou Cunha do cargo, é uma indicação da tendência do STF favorável a ela. A lógica diz que a iniciativa do ministro tem precedência sobre o pedido do Rede porque se trata de matéria mais ampla, uma vez que pode resultar em perda de mandato. Dificilmente ele concederia uma liminar se tivesse avaliado que o plenário, agendado para tratar de uma questão menor do imbróglio Cunha, iria rejeitá-la.

O julgamento de hoje culmina uma das mais movimentadas e importantes semanas jurídicas desde o início da operação Lava-Jato, há dois anos. Lula foi denunciado, a PGR pediu para investigar a presidente Dilma, importantes representantes do PT e PMDB e o líder da Oposição, senador Aécio Neves.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais