politica

Temer e Dilma duelam pelo Bolsa Família

Imprimir

Nas vésperas de ser afastada temporariamente pelo Senado (13 de maio) e após ser derrotada por 367 a 144 votos na Câmara, em 17 de abril, a presidente Dilma anunciou no 1º de maio um reajuste de 9% para o Bolsa Família e uma correção de 5% na tabela do Imposto de Renda para 2017. E aproveitou o evento para acusar o vice-presidente Michel Temer de tramar a extinção do Bolsa Família e de outros programas sociais.

O aumento anunciado por Dilma (posteriormente revogado por Temer, já como presidente) vigoraria a partir de julho, mas era, na prática menor. Como anunciou o Ministério do Desenvolvimento Social, então comandado por Tereza Campelo, de apenas 6,5%, pois o piso passaria dos R$ 77 para R$ 82.

Após uma auditoria no programa detectar algumas irregularidades que reduziram para 13,805 milhões o número de famílias beneficiárias, o presidente Temer anunciou hoje aumento de 12,5%. Mas tanto o aumento do piso para R$ 85, quanto a elevação de R$ 154 para R$ 170 o piso da ajuda para as famílias na linha da miséria, significam um reajuste mais modesto, de 10,3%. É bem maior que os 6,5% de Dilma, mas também abaixo dos 12,5% anunciados por Temer.

Nesse concurso para ver quem mais tenta adular os eleitores do Nordeste, onde estão 50,6% das famílias beneficiárias do Bolsa Família (6,966 milhões) e são pagos 52,15% dos benefícios mensais (R$ 1,167 bilhão, para um gasto nacional mensal de R$ 2,213 bilhões do programa antes do reajuste) me espanta é o erro da imprensa.

Ninguém faz contas para ver que tanto Dilma quanto Temer estão iludindo o povão além da conta.

 

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais