crise

Temer esfria a crise

Imprimir

Desde que começou o governo, em maio, o presidente Michel Temer tem lidado com a crise, em virtude do peso da bagagem das amizades que carrega. Dois de seus companheiros de batalha de longa data foram queimados: Romero Jucá e, agora, Geddel Vieira Lima. De seu círculo íntimo, sobram Moreira Franco e Eliseu Padilha.

A saída de Geddel do ministério, onde estava à frente da Secretaria de Governo, ao contrário do que aponta a imprensa deve esvaziar a crise deflagrada com a demissão de Marcelo Calero, o ex-ministro da Cultura que acusou Geddel de pressioná-lo.

Primeiro, pelo fato de que a crise em questão, ainda que real, foi inflacionada pela imprensa. Sem fatos novos, deve cair no esquecimento. A demora na saída de Geddel e os rumores de uma gravação de conversas entre Calero e Temer inflamaram um ambiente já conflagrado pelo debate da anistia a políticos.

Segundo, pelo fato de que o Congresso vai continuar a trabalhar e a PEC dos Gastos, por exemplo, deve avançar esta semana. As declarações do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), são firmes nesse sentido.

Enquanto não decide quem será o novo coordenador político, Temer vai assumir a função para manter de pé a agenda no Senado. Sabiamente, coloca-se contra a discussão da anistia ao anunciar que vetará qualquer forma de perdão a quem estiver envolvido com caixa 2.

Apesar da crise em torno de Geddel, o Congresso avançou em temas importantes. Por exemplo, o projeto de lei que transforma as concessões de telefonia em autorização prosseguiu na Câmara. A nova lei do pré-sal vai ser promulgada. A regulamentação dos cassinos será aprovada no Senado e até mesmo uma minirreforma política já foi desenhada e será examinada na Câmara.

Paradoxalmente, em meio a graves crises políticas, uma das piores composições do Congresso em matéria de lideranças está conseguindo aprovar uma agenda importante.

A saída de Geddel, cuja liderança era contestada dentro do ministério por sua forma assertiva de agir, poderá permitir a Temer fortalecer ainda mais a sua base política. Desde que o escolhido tenha bom trânsito na Câmara dos Deputados.

A entrevista no fim de semana, quando, escoltado por Renan Calheiros e Rodrigo Maia, o presidente reafirmou o desejo de não apoiar a anistia ampla a políticos, serve para acalmar um pouco o ambiente político.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais