america-latina

A Venezuela caminha para um desfecho sangrento

Imprimir

No último sábado, 5, os países fundadores do MERCOSUL decidiram pela suspensão definitiva da Venezuela do bloco. Apesar dos esforços por diálogo, o regime chavista insistiu em realizar uma eleição para a Assembleia Constituinte já empossada à força no lugar da Assembleia Nacional de maioria oposicionista. Além disso, o regime destituiu a Procuradora-Geral da República, Luisa Ortega, e impôs em seu lugar Tareck Willian Saab, um dos expoentes mais radicais do chavismo.

Neste domingo, 6, uma rebelião militar foi sufocada, mas mostra como é crescente o descontentamento com o endurecimento do regime nas Forças Armadas. Com mão de ferro, Diosdado Cabello, o braço militar do chavismo, liderou pessoalmente a operação.

Após a decisão anunciada em São Paulo, Nicolás Maduro afirmou em Caracas que “ninguém tira a Venezuela do MERCOSUL”. O sucessor de Hugo Chávez não dá mostras de que é possível um diálogo civilizado em torno da normalização democrática do país.

Poucos aliados

Ao regime chavista resta o apoio de Bolívia, Cuba, Coreia do Norte e Nicarágua. Não poderia ser mais patético. Regimes cujos líderes enriqueceram graças à corrupção e ao totalitarismo, são os que emprestam apoio àquele que chegou ao poder também com o apoio da Argentina de Cristina Kirchner e do Brasil de Dilma Rousseff.
Mas, o que realmente tem pesado para manter o governo e permitir o seu endurecimento vem de fora. China e Rússia decidiram tornar público o apoio que dão ao regime chavista.

A China o faz, entre outras coisas, por conta do bilhões de dólares que tem aplicados no país. Por via das dúvidas, mantém um canal de diálogo com a oposição. Se o governo cair, será preciso dialogar com que ascender. Foi assim com Temer no Brasil apesar das juras de amor ao petismo.

Saia Justa nos BRICS

No entanto, a postura chinesa poderá criar uma tremenda saia justa para o Brasil na 9ª Cúpula dos BRICS que realizar-se-à entre 3 e 5 de setembro em Xiamen. Temer não quer problemas com Pequim e prefere que o tema Venezuela sequer conste das conversas. Ele respeita a posição da China e não quer que a decisão encabeçada por Brasil e Argentina represente um óbice para as relações bilaterais.

Na mesma esteira, o presidente brasileiro quer distância dos problemas entre China e Índia, rivais na Ásia. Temer gostaria que os BRICS aproveitassem a ocasião para fortalecer o bloco em meio à tantas turbulências.
Já a Rússia que acaba de injetar alguns bilhões de dólares para que Maduro possa ganhar um respiro, parece disposta a segurá-lo no poder como provocação à administração Trump. Às turras com Washington, Moscou tem interesse político, estratégico e econômico na permanência de Maduro.

Venezuela e EUA: Petrodólares

Mas, a Rússia não deve criar problemas para o Brasil por ter trabalhado pela suspensão de Caracas do MERCOSUL. Putin quer mesmo é ver Donald Trump pressionado e enrolado internamente. Ele sabe que a única medida efetiva dos Estados Unidos para frear Maduro e o regime chavista está no boicote ao petróleo venezuelano. Isso definitivamente não acontecerá.

Como a Venezuela nunca deixou de entregar uma única gota do produto aos Estados Unidos e não cogita fazê-lo neste momento. Pelo contrário, o petróleo ainda é o que resta.

Guerra civil

Diante deste cenário, a Venezuela caminha para um desfecho sangrento. Falta muito pouco para desatar-se uma guerra civil. E não se percebe nenhum mediador internacional em condições de reverter esta tendência.
Ante esse quadro, seria interessante saber como ficam os milhões de dólares que a esquerda brasileira enviou para a Venezuela e que estão totalmente fora do sistema financeiro. Este dinheiro, possivelmente desviado de estatais e fruto de esquemas de corrupção como já revelados por Mônica Moura e João Santana, captava dinheiro no PT para campanhas políticas na região.

Além da Venezuela, há dinheiro em Cuba, Nicarágua e em países da Europa. Dinheiro que tem contribuído para manter a narrativa do golpe contra o petismo que derrubou Dilma Rousseff.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais