politica

Votação da Reforma da Previdência continua incerta

Imprimir

A Reforma da Previdência não será votada esta semana e restam apenas duas, ainda este ano, para que o governo consiga reunir os votos mínimos – 308 – para votá-la com segurança. Nos últimos dias, alguns eventos deixaram evidente a dificuldade de o Palácio do Planalto atingir esse objetivo. Alguns exemplos:

  1. Adiamento da votação, inicialmente prevista para esta semana (06/12).
  2. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu que ainda faltam “muitos votos”.
  3. Nenhum partido, além do PMDB, fechou questão a favor da reforma.
  4. Durante a votação de uma medida provisória com benefícios tributários para o setor de petróleo e gás (MP nº 795/17), o governo teve 208 votos a favor e 184 contra. PR (12), PSD (10), PSDB (9), PP (8), PMDB (6) e DEM (2) deram 47 votos contrários ao governo. As ausências nessas legendas somaram 68 deputados.
  5. Mesmo sendo uma MP – que requer maioria simples –, o governo não conseguiu concluir na semana passada a votação, que continua nesta.

Apesar das dificuldades, o vice-líder do governo, Beto Mansur (PRB-SP), chegou a afirmar que a Câmara pode votar o primeiro turno no dia 12 e o segundo no dia 13. É uma visão extremamente otimista, uma vez que ao longo de toda uma semana o governo não conseguiu concluir a votação de uma MP que exige maioria simples. Como concluir em dois dias a votação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que exige quórum de 308?

Veja um debate sobre a Reforma da previdência elaborado pela TV Estadão:

Nos últimos dias a negociação avançou e a Câmara pode concluir a votação do primeiro turno antes do recesso. Caso consigam, em esquema de exceção, votar o segundo turno também na próxima semana. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, prometeu celeridade no Senado.

Mantemos nosso prognóstico de 40% de chance de votação da Reforma da Previdência, mas substituímos o viés de alta por neutro.

Alguns eventos podem ajudar o governo nesta que será uma semana crucial:

  1. Se o PSDB decidir fechar questão sobre o apoio à reforma. Considerando o grau de divisão interna, isso não deve acontecer.
  2. O cumprimento pelo governo da liberação das emendas e das nomeações prometidas nos últimos dias.
  3. O andamento de pleitos específicos, como o projeto de lei sobre o refinanciamento das dívidas rurais e um programa de parcelamento de dívidas tributárias para micro e pequenas empresas.
  4. Reuniões conduzidas diretamente pelo presidente da República com lideranças partidárias.

Na quinta-feira (07), Temer terá encontro com líderes das bancadas para fazer uma contagem de votos e avaliar a chance de votação da reforma na próxima semana.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Os três setores do sistema social no governo Bolsonaro


Com base nas propostas de campanha, no pensamento do presidente eleito, na visão de mundo e na trajetória das equipes (econômica, política e de infraestrutura militar), que darão rumo ao novo governo, bem como na grave crise fiscal em curso, é possível antecipar que o mercado será o mais beneficiado

Ler mais

Se for bem-sucedido, o STF pode ficar pequeno para Sergio Moro


Ao aceitar o cargo de ministro da Justiça do Governo Jair Bolsonaro, o juiz Sergio Moro dobrou a aposta no tabuleiro político brasileiro. Caso seja bem-sucedido, ele não se cacifa apenas para uma vaga no STF, mas pode almejar a Presidência da República.

Ler mais