eleicoes-2018

1,2,3… de Marcelo Vitorino: Doria não será candidato a presidente

Imprimir

Sobre o “fenômeno Doria”: como o paulistano, de suposto presidenciável, passou a não ser visto nem como opção tucana para a sucessão de Alckmin no governo de São Paulo.

1. Ascensão de Doria

“No final de semana, nas convenções do PSDB em vários estados, todos os tucanos discursaram, mas nenhum citou Doria. Doria citou todos. O nome do Alckmin foi aclamado e Doria ainda foi obrigado a ouvir aquele corinho impublicável: “Ei, Doria, vai …”. O que coloca uma pá de cal em qualquer chance de ele ser candidato a presidente pelo PSDB. Talvez nem candidato a governador de São Paulo seja.

Assim que assumiu o governo, Doria começou a fazer um bom trabalho de exposição de marca. O objetivo desse trabalho era ser disseminado em redes sociais. Ao tomar posse, ele tinha dois milhões de fãs e oito milhões de interações no seu Facebook por mês. Em setembro, o Estadão fez uma pesquisa e constatou que os oito milhões haviam caído para 1,7 milhão. Ou seja, desde que começou a governar, seu número de interações vem sangrando e o número de fãs não cresce.

Como o projeto inicial dele inicial era ter uma grande exposição para disputar uma eleição majoritária, ele começou um processo de criação de factoides. Ele já havia sido eleito como João Trabalhador. E assim que assumiu vestiu essa fantasia de João Trabalhador. Um dia ele se vestiu de gari, outro dia se vestiu de atendente do McDonald’s. Cada dia o prefeito da cidade de São Paulo resolvia se vestir de algo para dar continuidade à imagem do João Trabalhador. Esse é o primeiro ato, a ascensão do Doria.

2. A Crise

Ele começou a imprimir um ritmo que não compete com o trabalho de longo prazo quando você pensa, ‘mas peraí, esse cara vai conseguir sustentar quatro anos fazendo factoides nessa velocidade?’ Cesar Maia era o Rei dos Factoides, mas ele lançava um factoide, esperava decantar, estimulava aquilo, quando o factoide estava caindo, ele recolhia o factoide, esperava um pouco o pessoal esquecer e lançava outro. Cesar Maia lançava três factoides por ano, Doria, cinco por mês.

Isso fez com que sua popularidade subisse muito rápido, porém a cobrança do paulistano, que todo mundo sabe é o bicho mais neurótico e exigente que existe no planeta, começou a pedir ‘espera lá, mas cadê o que você me prometeu? Você disse que ia fazer negócio com todas as empresas do mundo…’ e sai a manchete da Folha de S. Paulo dizendo que menos de 3% daquilo que foi falado pelo Doria foi concretizado.

Primeiro momento a subida, que se deu pelo número de factoides. Não houve período de platô, não teve momento de estagnação da imagem. Os factoides foram perdendo a força conforme o tempo foi chegando e as promessas não sendo cumpridas começaram a empurrar o Doria para o viés de queda. Isso é o segundo ato dessa ópera.

3. A Queda

Para conseguir reverte a queda de popularidade e de engajamento que ele vinha sofrendo, o Doria resolveu virar o AntiLula. Saiu até na capa da IstoÉ. Ele começou a adotar um discurso raivoso, chamando Lula de cara de pau e tudo mais e com isso conseguiu até se aproximar de parte da população, daquele segmento que gosta do MBL e do Bolsonaro, que começou até olhar para o Dória com bons olhos. Quem olhava o Bolsonaro, via o Doria como alternativa viável, um cara de direita arrumadinho.

Mas isso não adiantou. A popularidade dele continuou em queda. Em dado momento, ele destempera e começa a brigar com os seus. Porque a turma do Alckmin começou a fazer muita pressão para que o Doria não se posicionasse como presidenciável. Cabe lembrar que o caminho do Doria para ser um prefeitável em São Paulo foi um caminho muito hostil. Vários tucanos de alta plumagem foram contra o Doria. Eles queriam o Eduardo Matarazzo. Aquela cadeira era para o Eduardo Matarazzo.

Quando o Doria começa a perder popularidade os tucanos pressionam ele para tirar o pé e ele faz o oposto. Afunda mais o pé, aprofunda o racha no tucanato, briga com o Goldman, passa a ser extremamente desrespeitoso com a história do Goldman, chama ele de ‘velhinho de pijama’ e com isso ele detona todas as chances de ser candidato a presidente. Porque a um presidente não cabe só marketing. Ao presidente cabe unir inclusive aqueles que não concordam com ele. Coisa que o Lula fez muito bem. Doria não entendeu isso”.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Série eleições 2018: estrutura de campanha


Para os candidatos – tanto à eleição majoritária (presidente, governador e senador) quanto à proporcional (deputado estadual, distrital e federal) – que decidirem não entregar a execução de sua campanha a uma agência de comunicação ou publicidade, o ideal é que o comitê seja estruturado com pessoas experientes e capazes em quatro grandes núcleos de apoio: a) marketing; b) política; c) material de campanha; e d) atividades de rua. Coordenação de Marketing – cuidará da definição das atitudes e imagem do candidato, além da propaganda, da assessoria de imprensa, da contratação de pesquisa, da participação do candidato em debates e entrevistas, dos logotipos e da identificação visual da campanha. Deve ser um profissional do setor. Coordenação Política – será encarregada das negociações, das alianças e da orientação aos cabos eleitorais. Deve ser alguém vinculado orgânica e politicamente ao partido ou coligação e de absoluta confiança do candidato. Coordenação de Material de Campanha – cuidará da operacionalização das peças de campanhas produzidas pelo núcleo de marketing ou pela agência contratada, tais como panfletos, botons, distintivos, adesivos, bandeirinhas e outros produtos de divulgação do candidato. Deve ser um profissional. Coordenação das Atividades de Rua – será o responsável por colocar o bloco na rua, cuidando da mobilização da militância e da distribuição do material de campanha, além de outras atividades. A campanha ou o comitê não poderá prescindir de um coordenador administrativo e financeiro e de um bom consultor jurídico. O primeiro para captar recursos, contratar pessoal e autorizar despesas. O segundo para orientar juridicamente a campanha, defender o candidato e requerer eventual direito de resposta. A estrutura da campanha, como se vê, inclui toda a logística, que vai desde o comitê, passando por impressos, correspondências, pesquisas eleitorais, até profissionais contratados para divulgar e promover a campanha nas ruas e, principalmente, nas rádios, […]

Ler mais

Série eleições 2018: horário eleitoral, propaganda e marketing


Neste artigo vamos tratar de como bem utilizar o horário eleitoral gratuito, mediante o uso do rádio e da TV, e como potencializar a propaganda e o marketing da campanha, iniciando com conceitos e dicas sobre o emprego dessas ferramentas na campanha eleitoral.   Os programas de rádio e TV podem se constituir em uma importante fonte de votos. Os candidatos devem aproveitar bem esses meios e utilizar linguagem adequada para cada veículo. É fundamental a presença de um profissional ou agência que oriente na forma e no conteúdo dos programas. Para os candidatos com dificuldades de comunicação, além da presença do profissional na produção dos programas, recomenda-se um rápido treinamento com técnicas que irão ajudá-los na gravação dos programas, entrevistas, debates, nas salas em público e em comícios.   No rádio, a linguagem deve ser coloquial e repetitiva. É importante tratar apenas de um assunto de cada vez e associar o tema à sua imagem. Um bom jingle ajuda o eleitor a lembrar-se do candidato, de seu número e de suas bandeiras de campanha. O candidato deve procurar transmitir confiança e esperança.   Na televisão, além do conteúdo de sua fala, que deve conter frases curtas e na ordem direta, o candidato deve preocupar-se também com os gestos, expressões faciais e aparência. É importante não fazer gestos bruscos nem ser agressivo. A indignação deve ser expressada com toda a emoção possível, preferencialmente acompanhada de gestos e entonação da voz.   No curso da campanha não basta produzir bem os programas do candidato, é preciso também acompanhar e gravar os programas dos adversários. Isso possibilita solicitação do direito de resposta sempre que o candidato for atingido, mesmo que de forma indireta, com afirmação caluniosa, difamatória, injuriosa ou inverídica.   Já o trabalho de Marketing, conceituado como um conjunto de técnicas […]

Ler mais

Série Eleições 2018: planejamento da campanha


O êxito de uma campanha eleitoral, qualquer que seja o porte do Estado, depende em boa parte de um bom planejamento. Planejar significa avaliar possibilidades, dimensionar os recursos e estabelecer metas.

Ler mais

Previdência complementar: prazo de migração acaba em julho de 2018


O servidor público que ingressou nos poderes Executivo e Legislativo Federal antes de 07 de maio de 2013, respectivamente, com ou sem direito à integralidade e paridade, tem até o dia 29 de julho de 2018 para decidir se deve ou não migrar para a previdência complementar, que é quando vence o prazo de adesão previsto no art. 92 da Lei 13.328/16. Muitas entidades sindicais já fizeram o dever de casa e produziram estudos – considerando o perfil dos servidores por elas representados – mostrando as vantagens e desvantagens ou os riscos e as oportunidade de eventual migração nesse período. Mas a maioria, por variadas razões, que vão desde questões ideológicas até omissão, ainda não prestou os devidos esclarecimentos aos servidores, para que estes decidam com segurança sobre a conveniência de migrar ou não para a previdência complementar. O servidor que tenha incertezas quanto ao alcance de uma nova reforma da previdência – já que não existe dúvidas que virão mudanças nas regras de concessão de aposentadoria nos regimes próprio e geral – e que não tomar a decisão dentro desse prazo legal, ficará permanentemente vinculado ao regime próprio e, portanto, sujeito às futuras mudanças previdenciárias, inclusive em relação ao tempo que contribuiu sobre a totalidade da remuneração. Um das motivações de quem já migrou foi o fato de que o tempo que contribuiu sobre a totalidade, segundo a lei em vigor, ficaria preservado e seria pago pela União, em forma de benefício especial e em valor proporcional ao tempo que contribuiu sobre a totalidade, constituindo-se em ato jurídico perfeito e, supostamente, protegido pelo direito adquirido. Esse benefício especial, no momento da aposentadoria, se somaria ao teto do regime geral – em valor de maio de 2018 fixado em R$ 5.645,80 – e ao que o servidor viesse a acumular […]

Ler mais