reforma-partidaria

Flores do recesso

Imprimir

Há cerca de dois anos, José Antônio Reguffe, senador do DF, sem partido, procurou Rodrigo Rollemberg, seu aliado, recém-eleito governador do Distrito Federal, para conversar sobre o futuro. Bateram um bom papo e no final ouviu a seguinte pergunta:

-Quantos cargos você quer no governo?

-Nenhum. Quero que você cumpra as promessas de campanha.

O Reguffe é assim. Há quem goste e quem não goste. É como ele age. Ele procura ficar dentro dos limites institucionais. Não vai além. Não reivindica cargos, não indica pessoas, mas cobra as posições políticas e ideológicas de partidos e executivos. Não conheço outro parlamentar que tenha semelhante perfil no parlamento.

Definitivamente, este senador vive em outro planeta, naquele planeta imaginado por Marco Maciel, o pernambucano que tanta falta faz na cena brasileira atual. Ele padece de doença séria. Vive em Brasília, mas está distante da política.

Marco Maciel produziu dezenas de estudos sobre reforma política, tanto na Câmara quanto no Senado. Quem se dispuser a percorrer os arquivos do Congresso vai encontrar o rastro dele naqueles trabalhos. O brasileiro vota mal e vota errado.

As representações estão distorcidas e a eleição proporcional resulta em ainda maiores deformações. Com a possibilidade de haver coligações, a sopa de letras confunde o eleitor, que pensa em votar no PT e acaba ajudando a eleger o pessoal do Maluf em São Paulo. Ou entrega dois milhões de votos ao famoso Enéas que aproveita a onda favorável e elege sua secretária.

Não há fatos concretos durante o recesso. Apenas especulações. Há em Brasília alguma acomodação de partidos. O DEM, o antigo PFL, governou o país junto com o PSDB ao tempo de Fernando Henrique Cardoso. Nos tempos de administração PT perdeu espaço, viu suas bancadas se reduzirem no Congresso e agora reage.

São os primeiros movimentos com os olhos postos na eleição de 2018. Lula quer ser candidato a presidência da República. Muita água ainda vai passar por baixo desta ponte. Mas o PT de hoje é menor do que o de ontem. E os outros partidos querem se reforçar para chegar ao momento do pleito com melhores condições de concorrer e vencer.

Isto tudo acontece no recesso. Mas os partidos precisam produzir a legislação eleitoral que estará em vigor na próxima eleição. O prazo se esgotará no final de setembro. Há muito por ser feito. Em primeiro lugar, a cláusula de barreira. Ela impede o surgimento de pequenos partidos ou das legendas de aluguel.

A ideia é de que o partido só poderá ter representação no Congresso se alcançar determinado percentual de votos em nove estados da União. Se não conseguir, viverá como partido, mas não terá acesso ao fundo partidário, nem terá assento no Congresso Nacional. Com uma tacada dessas, o Congresso ficará entregue a no máximo seis partidos políticos.

Outro ponto importante é proibir as coligações nas eleições proporcionais. O objetivo, neste caso, é dar maior visibilidade ao candidato. O eleitor precisa ter a segurança que está votando na pessoa que o representa. São duas modificações aparentemente simples que possuem a virtude de modificar substancialmente o panorama eleitoral brasileiro.

Boa parte da crise nacional é consequência do sistema eleitoral leniente e desprovido de mecanismos adequados de controle. Qualquer pessoa cria um partido, assim como qualquer grupelho cria um sindicato. Em qualquer dos casos o objetivo é apenas receber verbas federais. E negociar vantagens. Ou seja, o sistema é basicamente corrupto.

A reforma previdenciária é importante, sem dúvida. A tributária, também. Mas a mãe de todas elas é a reforma política. O vírus da corrupção está entranhado neste sistema. É importante modificar essa maneira de eleger o parlamentar, criar partidos mais sólidos, mais ideológicos e menos volúveis.

A discussão sobre a adoção do voto distrital é antiga. Há argumentos a favor e contra. O voto em lista só funciona no regime parlamentarista europeu. No presidencialismo brasileiro ele contribuiria para criar feudos. Teria a virtude de piorar o que já é muito ruim.

Todas essas decisões precisam ser tomadas até o final de setembro. A legislação eleitoral deve ser modificada até um ano antes da realização do pleito. Caso contrário, as modificações entrariam em vigor na eleição seguinte. O recesso serve para colocar outros temas em discussão. A reforma política anda meio esquecida. É tempo de lembrar dela.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

A ficção do juiz neutro


O teratológico episódio envolvendo mais uma tentativa de soltar Lula da prisão expôs aquele quase consenso popular que se verifica em conversa de boteco. Ser e parecer neutro é virtude incomum entre juízes. A rigor, a isenção é atributo inalcançável. Por humanos, juízes têm sentimentos, preferências e vicissitudes, bem como inclinações políticas, religiosas e filosóficas. Além disso, magistrados são pagos para interpretar leis. Fossem as leis inequívocas, não necessitariam de interpretação. Leis, como se sabe, são forjadas nos Parlamentos – noves fora o STF brasileiro, casa de legisladores bissextos. O Parlamento, por sua vez, é habitat dos políticos, autoridades declaradamente partidárias, portanto, parciais. Assim, a suposta neutralidade judiciária – aqui entendida como a equidistância de tudo e de todos – estriba-se num regramento parcial, antônimo de isenção. De volta à conversa de botequim, pau que nasce torto morre torto. Prazos ficcionais Aos que descreem em filósofos ébrios, bastaria um olhar sobre o funcionamento da Justiça. Nenhum mecanismo interna corporis evidencia mais a impossibilidade do juiz neutro do que os prazos. Sufetas, sabe-se, não têm prazos. Ou têm prazos ficcionais. Na prática, qualquer magistrado pode acelerar ou retardar um processo como bem lhe aprouver. O condão de ser célere ou procrastinador desnuda qualquer manto de neutralidade. Vejamos. O que dizer do juiz Luiz Fux, da Suprema Corte, que mantém há quase quatro anos trancada numa gaveta a decisão definitiva sobre o auxílio-moradia? A benesse, que atende a casta privilegiadíssima dos magistrados, já depenou o erário em mais de R$ 5 bilhões. Dinheiro farto para quem já o tem a rodo. O juiz Roberto Barroso, também do STF, proclamou que o aborto (proibido em nossa legislação) é legal até o terceiro mês de gestação – aparentemente dando vazão a convicções pessoais ou reclamos militantes. O voluntarismo legiferante foi de encontro à lei, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: a campanha na rua


A campanha eleitoral, que vai de 16 de agosto a 6 de outubro, deve ser vista como um processo dinâmico, que começa em um ritmo e vai crescendo até a data da eleição. É a hora de entrar em campo. Se houver perda de fôlego na reta final, o candidato poderá perder espaço para os adversários. Na reta final não pode faltar dinheiro, material nem volume de campanha. As pessoas têm a tendência de deixar tudo para a última hora, inclusive a decisão do voto. Portanto, é vital para o sucesso nas eleições que a campanha cresça até o final sempre. O primeiro mês (agosto) é de afirmação da imagem do candidato, de ampliação do leque de apoios, de busca de espaços nos meios de comunicação e de consolidação da candidatura. Esta é a hora de visitar feiras, associações, igrejas, colégios, fábricas, sindicatos. É também a fase em que o candidato deve buscar os multiplicadores e formadores de opinião (líderes comunitários, religiosos, sindicais, jornalistas) para convencê-los das chances de vitória da candidatura, da viabilidade de suas propostas e da sua seriedade. Nesse período será exigido do candidato um contato mais qualificado com os líderes e formadores de opinião para que eles possam conhecer melhor o candidato e suas propostas. Nesta fase, o material de campanha deve ser denso, contendo um perfil do candidato e um detalhamento completo da plataforma, ideias, propostas e bandeiras da candidatura. O segundo mês (primeira quinzena de setembro) é o momento de reduzir as reuniões fechadas e partir para a ofensiva de rua, centrando os esforços na criação de fatos políticos que possam ser notícia e, principalmente, na massificação da campanha. Para tanto, o candidato deve distribuir panfletos para o público alvo, nas ruas, bairros, escolas, fábricas, repartições públicas e nas estações rodoviárias e de metrô, […]

Ler mais

Série Eleições 2018: propaganda eleitoral da campanha


A partir de 16 de agosto fica autorizada a propaganda eleitoral[1]. Ela tem a função de tornar o candidato e o seu número conhecidos, sempre associados a uma ideia, proposta ou bandeira de interesse da coletividade. Compreende a parte de imprensa e mídia (jornais, santinhos, cartazes, folhetos

Ler mais

Leniência com meliantes do erário pode conduzir o Brasil ao passado de impunidade


Desde que a Lava-Jato saiu de um posto de gasolina em Brasília e entrou sem bater em gabinetes de endinheirados houve mudança inédita na justiça brasiliana. Pela primeira vez, ricos e brancos corruptos foram condenados e presos. Com seu furor libertário, a 2ª turma do STF dá sinais de que vai na contramão da operação que escreveu a mais escandalosa crônica policial do século XXI. Ao libertarem uma penca de meliantes do erário, os juízes supremos podem levar o País a retroceder à impunidade histórica. O normal no Brasil sempre foi a impunidade para o andar de cima. Nos andares subjacentes, a justiça foi, e é, lépida pra prender e lerda para soltar. Basta um olhar sobre as masmorras de Cardozo. Mais de 40% dos presos são provisórios. Os ratos da Lava-Jato e o apartheid carcerário:http://blogdapoliticabrasileira.com.br/os-ratos-da-lava-jato-e-o-apartheid-carcerario/ Cárceres insalubres, sem os privilégios dos corruptos graúdos, são habitados majoritariamente por negros e pobres anônimos. Não significa que sejam inocentes, mas que deles foram subtraídos direitos elementares. Direitos que sobejam para os meliantes da Lava-Jato. Recursos à impunidade Para o brasileiro morador das periferias, basta um pontapé na porta para que a autoridade adentre lares desprovidos de foro privilegiado. Se o Brasileiro habitar bairros ilustres, a polícia, mais das vezes, precisará de uma autorização suprema. Sem a chancela judicial, as provas colhidas em lares grã-finos serão anuladas. Foi o entendimento da turma libertária da Suprema Corte. Casa de senador tem privilégios que a maioria não tem. Os mesmos sufetas defendem que os recursos protelatórios devem varar todas as instâncias do Judiciário. O que equivale ao recurso eterno, sinônimo de impunidade. Procuradores e juízes arrogantes são comuns na Lava-Jato. Seus excessos podem ser enquadrados como abuso de autoridade. [Semana começa com o fantasma da República dos Magistrados: http://blogdapoliticabrasileira.com.br/republica-de-magistrados/] Mais deletério ainda é a inclinação […]

Ler mais