distrito-federal

Rollemberg esconde o que faz de bom

Imprimir

As eleições de 2014 transcorreram sob o signo da mentira. A presidente candidata assegurava aos quatro cantos que não havia crise, que um futuro promissor nos esperava. Os críticos apenas torciam para o quanto pior melhor. Nesse contexto, candidatos aos cargos executivos plantavam suas promessas certos de que, mesmo se houvesse crise, esta seria de dimensões administráveis.

Um mês depois de eleita, Dilma Rousseff reconheceu o colapso, cujas dimensões astronômicas acabaram por incluir recorde de desemprego, recessão profunda e prolongada, ameaça inflacionária, contingenciamento orçamentário, enfim, uma tempestade perfeita. O déficit recalculado pós-impeachment atingiu a R$ 140 bilhões.

Equilibrismo orçamentário

Com o orçamento do GDF 50% dependente de transferências da União em queda livre, acrescentava-se um rombo que, somados os déficits orçamentários as dividas e promessas do governo anterior atingiam R$ 6,5 bilhões. Obviamente as prioridades tinham de mudar e o novo governo dedicou-se a contornar o revés que se avizinhava, deixando os sonhos para segundo plano. O fantasma do Rio de Janeiro e do RGS nos ameaçava.

A despeito do que dizem seus oposicionistas, não faltou disposição ao governo do DF, que não cedeu ao populismo ou à demagogia: renegociou contratos, reduziu a máquina pública, desautorizou aumentos generosos e irresponsavelmente dados pelo governo anterior, aumentou impostos e corrigiu preços ícones para a demagogia barata, como o almoço nos restaurantes comunitários (de R$ 1,00 para R$ 3,00). Até o ingresso ao zoológico ficou mais caro. Enfim, levou-se ao limite o esforço para equilibrar as contas públicas, e o rombo foi reduzido a R$ 700 milhões de reais.

A despeito de tais circunstância, Rollemberg conseguiu realizar uma boa parte de sua pauta de campanha, coisa da qual poucos se dão conta.

Quando assumiu, 1. 11 dos 12 tomógrafos do DF estavam quebrados por falta de pagamento a assistência técnica. Hoje 11 estão em funcionamento.

2. Rollemberg entregou mais moradias do que qualquer outro governador do DF – inclusive Roriz.

3. Há 20 anos, Brasília espera um aterro sanitário para se livrar do vergonhoso lixão. Esse aterro foi inaugurado.

Problemas e soluções

O DF tem, 4. a maior favela da America Latina – o Sol Nascente – que o governo vem urbanizado celeremente.

5. Em 2015, entre 3% ou 4% das escolas do DF tinham horário integral; hoje são 44%.

6. Este ano, conseguiu creches para todas as crianças de quatro a cinco anos que se inscreveram, deixando déficit zero.

Política de invasões

7. Deu, enfim, credibilidade a uma política de combate a invasões irregulares de terras públicas, enfrentando-as onde quer que elas se dessem, no Recanto das Emas ou no Lago Sul.

8. Inaugurou um programa – “Cidade Limpa” – cujos resultados não são apenas limpeza urbana, mas se refletem em baixos índices de dengue e sensação de ordem em todos os lugares por onde passa.

Não se trata de uma folha de realizações desprezível, a ser esquecida. Tudo isso, além dos problemas orçamentários, com uma Câmara Legislativa hostil, onde não dispunha de nenhum deputado distrital de seu partido.

As avaliações de opinião pública, todavia, são muito críticas. Não espanta que isso aconteça perante uma agenda de medidas amargas necessárias, fenômeno observado também em relação ao presidente Temer e a muitos outros políticos que precisaram se ajustar às circunstâncias.

Mas há aspectos que não se pode deixar de registrar. A saúde publica, com graves problemas permanentemente iluminados pela mídia, a segurança, do mesmo modo e os serviços de transporte no mesmo tom. A opinião pública paga enorme pedágio a um déficit de informação sobre o conjunto das realizações, seu significado e sua importância. Restrição justificável antes, agora precisa ser enfrentada.

Avaliação justa depende de informação

A acusação de que o governador teria esquecido suas promessas de campanha traduz uma mentalidade progressivamente superada entre os cidadãos que – com o advento das redes sociais e suas mobilizações – já conhecem de longe as criticas oportunistas, o combate deletério e a agressão corporativa. No entanto, se os contribuintes não tomarem conhecimento do que se fez, não haverá como modular sua percepção.

Antes, a própria crise recomendava contenção de gastos publicitários; hoje é preciso que se entenda – informação é direito do cidadão, que precisa saber que se trabalha. Se a primeira metade do governo teve a função de ajustar as contas, a segunda deveria priorizar a informação, porque sem ela nenhum cidadão poderá fazer uma avaliação justa do que se tem pela frente.

Publicado no Correio Braziliense em 13/05/2017

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Para reflexão do potencial eleitor de Bolsonaro


Parcela do eleitorado – indignada com a situação do país, enfurecida com a corrupção e com a violência – tem sede de vingança. E esse sentimento aproxima essas pessoas do candidato Jair Messias Bolsonaro, que não faz outra coisa na vida a não ser reforçar esse sentimento de revolta nas pessoas. Quando um agente político identifica uma situação de desconforto e recomenda uma punição para os seus supostos responsáveis, esse gesto o aproxima das pessoas que estão incomodadas com a situação, fazendo-as imaginar que esse diagnóstico comum é suficiente para fazer dele (agente político) seu representante no Congresso ou no Poder Legislativo. O “messianismo”, ou a crença na vinda de um salvador ou redentor, caído do céu, imaculado e justiceiro, para libertar o povo de seus males, é um fato na cultura da Humanidade, mas, ao mesmo tempo, pode gerar a alienação dos indivíduos quanto a serem, eles mesmos, os agentes para a solução dos problemas identificados. O método adotado por Bolsonaro para sensibilizar seus apoiadores consiste em apontar problemas (criminalidade, corrupção, desemprego), indicar os supostos culpados (a esquerda, os comunistas, os malandros e corruptos), além de sugerir uma suposta solução (a punição, no caso a repressão, o encarceramento, o corte de direitos e serviços públicos, etc), numa construção que denota causa e efeito. Para potencializar e manter as pessoas presas a essa fórmula, utilizam as redes sociais para espalhar discórdia, mentiras e apontar fatos da realidade que chocam as pessoas. Existe um exército de mercenários, a serviço dos bolsonaristas, que alimenta, estimula e sustenta esse tipo de campanha permanente É o modo de comunicação troll, que provoca reações enfurecidas, estimula um comportamento de massas, manipula, maneja e molda as crenças e sentimentos das pessoas sem contar com o consentimento ou vontade consciente delas. Provoca os instintos mais primitivos do […]

Ler mais

Que tipo de propostas se pode esperar do próximo presidente?


  Em artigo anterior, sob o título “as três visões em disputa na eleição de 2018”, tratei dos desenhos de Estado que estão em disputa. Neste trato de medidas que poderão ser propostas pelos representantes dessas três visões: a) Estado de proteção social, b) Estado liberal-fiscal, e c) Estado penal. Ressalte-se, desde logo, que alguns candidatos podem combinar, em seus programas de governo, políticas públicos de caráter liberal-fiscal com medidas do Estado penal, mas é bem menos provável que um candidato que adote a visão de estado de proteção social possa compatibilizar seu programa com propostas de ordem liberal-fiscal, ainda que possa incorporar algumas medidas de reforço à segurança pública. Os candidatos do campo da esquerda e da centro-esquerda[1], que adotam a defesa do estado de proteção social, terão como prioridade recuperar a capacidade do Estado de ofertar serviços e proporcionar o acesso a bens públicos, especialmente aos mais vulneráveis. Isto não significa que deixarão de propor reformas estruturais, inclusive com impacto sobre direitos, como reforma da Previdência e do Estado, mas com  generosas regras de transição. Os pressupostos para a retomada do projeto de estado de proteção social, entretanto, são a revogação ou flexibilização da Emenda Constitucional 95, e a realização de reforma tributária que amplie a arrecadação, sem o que será impossível conter o aumento da desigualdade e evitar o colapso do Estado. Já os candidatos que defendem o Estado de perfil liberal-fiscal[2], além de manterem o congelamento do gasto público – admitindo a sua flexibilização somente se, e quando, forem aprovadas reformas profundas para reduzir o gasto social – descartam qualquer aumento de tributos, exceto do Imposto de Renda de pessoa física, aprofundando o ajuste apenas pelo lado da despesa, e notadamente na área social. A prioridade – ao lado da venda de ativos, mediante a alienação […]

Ler mais

Por trás do “choque liberal” do PT, o risco da censura à imprensa


Por trás da proposta aparentemente benfazeja de Fernando Haddad esconde-se um velho desejo do PT e um postulado de regimes autoritários: a censura da imprensa. Um dos possíveis postes de Lula às eleições presidenciais de 2018, o ex-prefeito propõe “regulamentação que aumente o pluralismo e a diversidade dos meios”. Em entrevista aos jornalistas Ricardo Mendonça e César Felício na segunda, 23 de julho, Haddad acrescentou que “o foco é evitar concentração da propriedade, sobretudo propriedade cruzada”. Buscando um verniz democrático à iniciativa, disse que “queremos dar um choque liberal”. https://www.valor.com.br/politica/5676907/haddad-propoe-punicao-tributaria-para-spread-alto Cuba não é pluralista Ampliar o número de proprietários dos meios de comunicação é, sim, saudável. A pluralidade incentiva a concorrência e inibe a manipulação. Ganha o jornalismo profissional e a liberdade de informação, que inexiste em modelos controlados pelo Estado. Afinal, quem vive do jornalismo não pode fazer como os blogs sujos, que divulgam apenas um lado da notícia e não abrem espaço ao contraditório. Na verdade, aqueles sites – que existem graças à internet e aos smartphones, invenções capitalistas – são ponta de lança da propaganda petista. Quem conhece o PT sabe, na verdade, que o alvo da “regulamentação” é o controle da grande imprensa. Menos cautelosos do que Haddad, militantes petistas acreditam que, caso o controle já existisse, a sigla ainda estaria no poder. Se o partido de Lula não o fez antes foi por pruridos democráticos de parte de suas lideranças e pela oposição da mídia profissional. Controlar a imprensa, no entanto, foi sempre um método de governos de esquerda. Basta ver os exemplos hodiernos da Venezuela e de Nicarágua. Sem falar da ditadura cubana, que leva ao paroxismo o controle da imprensa. Todos modelos defendidos pela chamada esquerda. Sem imprensa, sem democracia A imprensa livre, com todas as suas parcialidades e tendenciosidades, é condição sine […]

Ler mais

Os três papéis do Presidente da República


O presidente da República, no Brasil, personifica, em sua integralidade, o Poder Executivo, e exerce, simultaneamente, três papéis: 1) de Líder da Nação; 2) de Chefe de Estado; e 3) de Chefe de Governo. Os dois primeiros são mais simbólicos. O verdadeiro estadista é aquele que preenche essas três dimensões do cargo e o faz com o espírito republicano e que, apesar do enorme poder que o cargo lhe confere, não o exerce de forma autocrática ou irresponsável. Os principais atributos de um presidente da República são sua legitimidade e liderança, as duas condições que o habilitam a liderar a Nação, convencendo-a da importância, necessidade e conveniência de suas iniciativas, inclusive daquelas que eventualmente contrariem interesses. É o principal requisito para que conquiste e preserve a governabilidade. Isso é o que se chama de capital político. Nesse papel, de caráter mais simbólico que prático, o presidente deve ser percebido como exemplo na defesa e no respeito à Constituição, na condução da ordem interna e na promoção da paz social entre os brasileiros, bem como na defesa da soberania nacional e no zelo pela defesa do Estado Democrático de Direito. É tanto que no ato de sua posse, conforme previsto no art. 78 da Constituição Federal, o presidente é obrigado a prestar o juramento perante o Congresso Nacional, “prestando o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade a independência do Brasil”. O papel de Chefe de Estado, cuja principal missão é bem representar o País e o Povo Brasileiro perante governos estrangeiros e organismos internacionais, além de autoestima e confiança, tem como pressuposto acreditar no Brasil e defender sua inserção soberana no mundo globalizado, inclusive para efeito de disputa de mercados. Esse papel requer uma […]

Ler mais