agenda-politica-brasileira

Joesley Batista depõe na Câmara e no Senado

Imprimir

1. O empresário Joesley Batista (JBS) depõe, às 9h, na CPI do BNDES (Senado) e na CPMI da JBS (Câmara e Senado).

Veja outros destaques da agenda do dia:

1. O presidente Michel Temer se reúne com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, ao meio-dia.

2. O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, participa de evento fechado do JP Morgan promovido para investidores. Também participa do evento o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

3. Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se reúne no STF, com a ministra Cármen Lucia para tratar de foro privilegiado.

4. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se reúnem com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e o diretor de relacionamento institucional e cidadania do banco, Isaac Sidney.

5. Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, participa de debate promovido pelo Insper e pelo Banco Mundial sobre políticas e programas de apoio à empresa.

6. A Câmara dos Deputados pode votar o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 100/11, que permite aos municípios manter seu dinheiro em cooperativas de crédito nas localidades onde não há bancos oficiais, assim como efetuar operações de crédito com essas cooperativas; e a Proposta de Emenda da Constituição (PEC) nº 212/16, que cria um novo regime especial de pagamento de precatórios, com prazo máximo de dez anos.

7. A Comissão de Minas e Energia da Câmara realiza audiência pública para debater as regras de conteúdo local para a indústria de petróleo e gás no Brasil com o ministro do setor, Fernando Coelho Filho, o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Décio Oddone, e o presidente da Petrobras, Pedro Parente, entre outros.

8. Previstas a instalação e a eleição do presidente da Comissão Especial sobre as Agências Reguladoras (PL nº 6.621/16) na Câmara.

9. O Senado pode votar a Medida Provisória nº 791/17, que cria a Agência Nacional de Mineração (ANM).

10. O Tesouro Nacional divulga o resultado das contas do Governo Central de outubro.

11. Veiculação do programa partidário do PMDB, em cadeia de rádio e TV, com duração de dez minutos.

12. O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, viaja para Frankfurt, na Alemanha, onde fica até 2 de dezembro para participar de roadshow para atração de investimentos em infraestrutura no Brasil.

13. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga a Sondagem Indústria da Construção.

14. A FGV divulga Sondagem do Consumidor e do Comércio de novembro.

15. A Confederação Nacional do Comércio divulga Intenção de Consumo das Famílias de novembro.

16. Indicado pelo presidente Donald Trump para comandar o Federal Reserve, o Banco Central americano, Jerome Powell, até então diretor da instituição, participa de audiência no Comitê Bancário do Senado americano para confirmar seu nome no cargo.

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora


As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Ler mais

O “messianismo” espreita o pleito de 2018, adverte Pedro Malan


Momentos de grande desilusão são portas de entrada para salvadores da pátria. Com a maioria dos eleitores fartos com todos os políticos, os eleitores de 2018 flertam com o messianismo.

Ler mais

80,16% dos deputados estaduais concorrem à reeleição


Levantamento das empresas Queiroz Assessoria Parlamentar e Sindical e MonitorLeg Comunicação Legislativa conclui que a renovação nas Assembleias Legislativas tende a ser baixa, especialmente em função do elevado percentual de candidatos à reeleição: 80,16%.

Ler mais

Câmara dos Deputados: renovação ou circulação no poder?


A próxima composição da Câmara dos Deputados terá o menor índice de renovação real, entendendo-se como tal apenas os nomes que nunca ocuparam cargos públicos. A renovação real será absolutamente residual. O que haverá será uma circulação no poder.

Ler mais