eleicoes-2018

Sem abrir espaço à renovação, o PT engessa a esquerda conservadora

Imprimir

As coligações para o pleito de 7 de outubro confirmaram a tendência monopolista do PT de Lula. Num momento que pode se caracterizar por uma inflexão na história brasiliana, a sigla interditou o debate na esquerda conservadora.

Em parte, a decisão se dá por absoluta falta de opção. Não existe outro mito como Lula, preso há cinco meses em Curitiba acusado de corrupção pela Lava-Jato.

Assim, em boa dose, o viés eleitoral se sobrepuja ao ideológico. Hoje, a única meta do partido é a soltura da ideia nascida em Garanhuns.

Trata-se, ao mesmo tempo, de estratégia para fugir do debate crucial nesses tempos de rejeição à velha política, representada pela tríade PSDB, PT e MDB. Estratégia que, na chamada esquerda, interessa basicamente ao PT.

O PT virou seita

Para além de se esquivar a encarar seu declínio moral, o PT bloqueia o debate sobre os rumos da esquerda conservadora. O tamanho do Estado, a aliança com regimes autoritários, a importância do equilíbrio fiscal, as novas relações de emprego do século 21.

Dentro da esquerda há formuladores que não se aferram a conceitos forjados no século 18, quando o capitalismo ainda não havia inventado a internet e os smartphones. E quando as relações de trabalho eram distintas.

Há pensadores que perseveram na defesa da igualdade de oportunidades, dos direitos humanos e do bem-estar social. Mas que descreem dos velhos caminhos da seita em que se transformou o PT.

A partir da falência da velha política, eviscerada pela Lava-Jato, é chegada a hora de repensar seus equívocos morais e ideológicos. Os que não desaprenderam a refletir e a questionar, como os apóstatas do esquerdismo anacrônico, estão prontos para o debate.

Debate interditado pelo pouco questionado monopólio do PT. Como fez Carlos Siqueira, presidente do PSB. Realista, ele reconheceu o caráter essencialmente pragmático do acordo eleitoral com o PT.

Em entrevista aos jornalistas Pedro Venceslau e Renan Truffi, Siqueira lamentou o “sentido exclusivista” do PT. Para ele, “o PT sempre vai querer manter a hegemonia na esquerda”.

https://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,o-pt-tem-esse-sentido-exclusivista-de-partido-afirma-presidente-do-psb,70002431071

Usou de um eufemismo. Trata-se de monopólio, como o de implodir qualquer liderança ou ideia nova que não passe pelo crivo majestático de Lula.

Venezuela como modelo

A “reciclagem”, desejada pelo líder do PSB, é barrada pela cunha imposta a todos que orbitam ao redor do PT. Nascido sob o signo da ética e do fundamentalismo ideológico, o partido perdeu a primeira e manteve o segundo.

Ao mesmo tempo em que se rendeu a desvios bilionários do erário para financiar sua hegemonia –  e o enriquecimento de alguns companheiros -, flerta com o autoritarismo. No lugar de se inspirar em países onde a desigualdade é reduzida, apoia ditaduras como Cuba e regimes autoritários como os da Nicarágua e Venezuela.

Com o objetivo de antagonizar os EUA, bandeira herdada da Guerra Fria, condena Israel, democracia solitária no Oriente Médio. Ao mesmo tempo, apoia os vizinhos israelenses, quase todos totalitários, homofóbicos e misóginos.

Persiste no apoio ao estatismo, que perpetua estatais deficitárias, comercialmente amarradas pela legislação e reduto de pelegos endinheirados. Inibe o empreendedorismo, como se empresários fossem inimigos – tirante os escolhidos pela Bolsa BNDES.

O PT não se questiona e não deixa questionar. Ao transformar sua ideologia em credo deixou de ter militantes e passou a ter sequazes.

A eleição de 2018 guarda semelhanças com a de 1989. Um momento de inflexão da vida brasileira é um destes traços em comum.

Naquela ocasião, os eleitores se deixaram encantar pelo mito do caçador de marajás e sua pauta moralista. O mito atual pode conduzir o Brasil de volta ao conservadorismo do pensamento esquerdista.

 

* Itamar Garcez é jornalista

Loading Facebook Comments ...

Artigos relacionados

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Menos violência & mais emprego, as armas de Bolsonaro


O capitão-mor Jair Bolsonaro vem antecipando, há quatro semanas, as políticas públicas do País a partir de 1º de janeiro, quando assumirá a presidência da República. Suas entrevistas e monólogos virtuais têm indicado o rumo para o meio ambiente, a política exterior e até a formulação das provas

Ler mais

Intelectuais atiram em Bolsonaro, mas acertam no PT


A ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência da República provocou histeria nos intelectuais da chamada esquerda. Diante da desconcertante simplificação da realidade por parte do capitão reformado, a elite acadêmica tem reagido com espasmos carentes de razão.

Ler mais

Mudanças regimentais contra o kit obstrução


Os partidos da base de apoio do governo Bolsonaro vão apresentar duas condições para apoiar um candidato para presidente da Câmara: a) identidade programática com a agenda governamental e b) disposição para promover mudanças no regimento interno e reduzir a capacidade de obstrução da oposição

Ler mais